3.12.05

MOTOSSERAS AFIADÍSSIMAS

MOTOSSERRAS AFIADÍSSIMAS
Lucivânio Jatobá
( Artigo publicado no jornal A Folha de Pernambuco)

Uma enorme área de florestas virgens foi devastada, nos dois últimos anos. 26.130 km², quase a área do Estado de Alagoas, foram desmatados,impunemente, na Amazônia, acarretando graves prejuízos ecológicos, que muito em breve serão percebidos até pelo cidadão comum, que pouco entende de Ecologia ou de Geografia Física. O assunto é escandaloso! E merece reflexão aprofundada ,providências urgentíssimas das autoridades e posicionamento firme da sociedade, dos eleitores.
As primeiras manifestações de indignação já começaram a acontecer , pelo menos no mundo da Política. O Partido Verde(PV), uma minúscula agremiação política, é verdade, mas cheia de idealistas, já rompeu com o Governo Luiz Inácio, que se mostra incapaz de deter as motosserras dos grileiros, dos invasores de terra , em geral, das grandes empresas do agronegócio, dos reis do desmatamento. Parece que nada detém essas motosseras impiedosas, que destroem um patrimônio natural da humanidade. Assiste-se a tudo isso, como se uma peça trágica estivesse sendo representada num teatro do absurdo.
Mas o que poderá acontecer ,caso essas taxas de desmatamento da Amazônia, em especial, continuem tão altas , livremente ascendentes? Os efeitos,diria o conselheiro Acácio, “virão depois”. E serão impiedosos...
As conseqüências se farão presentes com alterações climáticas gravíssimas, sobretudo no Nordeste semi-árido, com assoreamento rápido de cursos d’ água da rica hidrografia amazônica, e com a destruição da biodiversidade, tão difícil de ser reconstituída!
Os estudos de Climatologia vêm provando que mais da metade da água que abastece o ciclo hidrológico da Amazônia provém da evapotranspiração potencial da região.Evapotranspiração esta que, por definição, decorre da imensa biomassa da área, numa conjugação de evaporação com a transpiração das espécies vegetais. E mais, sabe-se que sobre a Amazônia se origina um sistema atmosférico convectivo importantíssimo, que responde pelo regime de chuvas pesadas de grande parte do semi-árido nordestino. São as chuvas de verão, acompanhadas de raios e trovões, tão conhecidas e requeridas pelo sertanejo. Esse sistema alimenta-se,sobretudo, da água transpirada pela floresta.
As chuvas de verão do Brasil Central e do Nordeste semi-árido diminuirão, caso a Amazônia continue sendo desnudada de seu manto vegetal. Secas cada vez mais severas se instalarão livremente no oeste de Pernambuco, sul do Piauí, oeste da Bahia e em largos trechos do Centro-Oeste. A desertificação, ainda determinada,atualmente, pelas ações antrópicas, passará a ter na própria dinâmica atmosférica a causa principal, transformando-se, assim, em desertização.
A erosão das encostas e dos topos das elevações na Amazônia e no Brasil Central se acelerará impressionantemente. Os leitos dos rios serão palco de intensa deposição de sedimentos, prejudicando a fauna e a navegação fluvial. E mais, as espécies animais e vegetais serão dizimadas pela destruição do habitat natural. Um crime hediondo será cometido contra o meio ambiente. O assunto é grave! Escandaloso, como foi dito antes. E , se as forças políticas e a justiça se mostram, por razões várias, impossibilitadas ou incapazes de deter as motosseras afiadíssimas, que entrem em cena outras forças, haja vista que se trata de um verdadeiro problema de Segurança Nacional. A natureza tem suas leis que devem ser, como as leis dos homens, obedecidas, respeitadas. Não dá para esperar muito tempo! Não são mais tolerados frases de efeito e discursos ocos. A natureza não tem paciência, e muito menos a sociedade esclarecida, que vota, que define o futuro da Pátria...

Um comentário:

Tânia França disse...

Oi Lucivânio, quando você me enviou o artigo das motosserras por email já lhe parabenizei, portanto, agora é pelo seu blog que está ótimo e já deu frutos: mal encaminhei prá minha lista e vi um comentário de minha filha que reside na Suiça (Ingrid Mittelbach), sinal do sucesso que ele fará entre os mais jovens. Espero que aos poucos consigamos aliciar e recuperar a geração do funk proibidão, da qual, graças a Deus minha filha não faz parte! É isso! Sucesso!